O que é superego? (final)

Olá! Tudo bem? Este conteúdo não se encontra mais disponível aqui, pois foi reunido no ebook “Psicanálise em Humanês: 16 conceitos psicanalíticos cruciais explicados de maneira fácil, clara e didática”.

O livro será lançado no dia 15/10 às 07h da manhã em meu perfil no Instagram: http://instagram.com/lucasnapolipsicanalista

Comprando no dia do lançamento você obterá um desconto IMPERDÍVEL!

Ah, e nos três dias anteriores ao lançamento (12, 13 e 14) eu ministrarei um minicurso gratuito de introdução à Psicanálise. Então, siga-me lá no Instagram e não perca!

Autor: Lucas Nápoli

Lucas Nápoli é psicólogo, psicanalista e professor. Possui os títulos de Doutor em Psicologia Clínica pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RJ) e Mestre em Saúde Coletiva pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). É autor do livro "A Doença como Manifestação da Vida".

9 comentários em “O que é superego? (final)”

  1. Qndo diz: “que não nos deixa sentirmo-nos inocentes.” eu me lembrei exatamente de Adão e Eva, qndo deixaram de se sentir inocentes ao comerem do fruto proibido. Neste momento eles ouvem Deus chamando e se escondem, pq ficaram envergonhados, perderam a inocência. Fico pensando se essa satisfação do desejo sem passar por um superego não nos levaria a morte, já q enqto houver insatisfação haverá um desejo a ser realizado e, portanto uma busca pela vida, enqto q morrer é o cessar de todas as insatisfações e, portanto de luta pela vida. Outro dia eu assistia num programa de TV, Por toda Vida, eu acho, e falavam da vida de Raul Seixas, cujas músicas me atraem, e acho q era um visionário, pois falava coisas no tempo dele que acontecem até hoje. Um amigo dele deu uma entrevista dizendo que ele, o Raul, não fazia “absolutamente” nada que não fosse da vontade dele, ou seja, ele só fazia o que queria. Tdo bem q nós muitas vezes achamos q sabemos o q queremos, mas colocando isso a parte, veja no q deu, ele morreu aos 46 anos de tanto beber, teve uma doença causada pelo excesso de bebida, pois segundo o que disseram os familiares no programa ele já estava alcólatra e não aceitava se tratar. Pode ser q eu esteja enganada, mas fazer só o que tinha vontade, parece ter o levado à morte e ainda novo. Ele mesmo disse numa entrevista, que a morte era algo que ele tinha repulsa, mas ao mesmo tempo, dizia: vem minha querida. Preciso dizer mais alguma coisa? rsrs…

    Talvez seja por isso que na bíblia diz, dentro de um contexto diferente, é claro, mas que ao meu ver se encaixa aki: “o seu desejo será contra ti, mas a ti cumpre dominá-lo.” Gênesis 4:7

    Vc pode até dizer que estou falando do ponto de vista de uma cristã impregnada de superego, mas nesse caso não se trata de um agir, ou pensar sem saber o pq, simplesmente a cumprir dogmas, pautado meramente na moral, mas num entendimento q eu diria, mais saudável, mais interessado na busca pela vida, pq é o que acho q Cristo queria para os filhos dele: “vida abundante”

    Desculpa aí se ficou parecendo um sermão tá!? rs…

    abraço

  2. Ádila, concordo inteiramente com você. Aliás, estou pensando em escrever alguns textos para mostrar como Freud apenas psicologizou algumas noções eminentemente judaico-cristãs. A idéia da pulsão de morte e seu correlato a compulsão à repetição, por exemplo, são uma articulação robusta da idéia paulina de que o salário do pecado é a morte.

  3. Exatamente caro Lucas! rs… Fechou! Foi isso msmo q me veio à mente.

  4. Rsrsrs Essa foi boa, Alisson! Mas não deixarei você sem resposta: para dialogar com o superego, primeiramente é necessário conhecer seu dialeto e só há uma escola que oferece um curso sobre essa língua. Ela se chama: psicanálise.

    Espero ter respondido! Grande abraço e apareça sempre por aqui e, sempre que possível, com boas perguntas, como essa!

  5. Dayvid o que eu posso perguntar a ele pra me deixar usufruir um pouco da vida disse:

    Me da uma ajuda aí o meu super ego tá me sufocando

  6. Procure a ajuda de um psicanalista aí em sua cidade, Dayvid!

    Forte abraço!

  7. Não entendi o porque “O futuro de uma ilusão” ser uma bobagem de Freud. Muito pelo contrário, é genial em cada detalhe produzido pelo autor.

  8. Olá Gledson! Considero este artigo um dos meus “textos de juventude”. Hoje também não acho “O Futuro de uma Ilusão” como uma bobagem completa, mas continuando achando muito fracas e banais as críticas que Freud faz à religião no livro.

    Obrigado pelo comentário!

    Grande abraço e continue acessando o blog!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s