O que devo fazer para me tornar psicanalista?

  1. PRECISO TER FORMAÇÃO SUPERIOR PARA SER PSICANALISTA? Não. A Psicanálise não é uma profissão regulamentada pelo Estado brasileiro. No limite, qualquer pessoa, independentemente do seu grau de escolaridade, pode se autonomear psicanalista e atender pessoas dizendo praticar a Psicanálise.
  2. ENTÃO, QUEM GARANTE QUE UMA PESSOA É VERDADEIRAMENTE UM PSICANALISTA? Ninguém. Não existe uma entidade universalmente reconhecida por todos os psicanalistas que esteja autorizada a oferecer um “diploma” ou “certificado” de psicanalista. Existem diversas instituições que fornecem uma formação em Psicanálise mais ou menos organizada, mas nenhuma delas funciona como um tribunal supremo que define quem é e quem não é psicanalista.
  3. NÃO SERIA MELHOR TER UM CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICANÁLISE RECONHECIDO PELO MEC SEMELHANTE AO QUE ACONTECE COM A PSICOLOGIA? Não. Isso faria o exercício da Psicanálise se tornar dependente de uma formação protocolar baseada em parâmetros de ordem estatal que poderiam ser estranhos e até avessos ao campo psicanalítico.
  4. OK, ENTENDI, MAS E SE EU QUISER ME TORNAR PSICANALISTA. O QUE DEVO FAZER? Três coisas: a primeira e mais importante é submeter-se a uma análise e levá-la até o fim (o que pode levar muitos anos); a segunda é estudar sistematicamente a teoria psicanalítica, começando pelas obras dos grandes autores, a saber: Freud, Ferenczi, Klein, Winnicott e Lacan. Saiba que esse estudo não acaba nunca. Você precisaria de, no mínimo, umas 3 vidas para conseguir abarcar toda a literatura analítica. A terceira coisa é submeter-se a uma supervisão por parte de um analista mais experiente, sobretudo nos primeiros anos de prática clínica. Você pode fazer essas 3 coisas independentemente ou no interior de uma instituição.
  5. E QUANDO PODEREI COMEÇAR A ATENDER PESSOAS? Não, não chegará uma carteirinha te dando habilitação para clinicar, ok? Quem decidirá isso é você mesmo. Já ouviu falar numa coisa chamada ética? Pois é. Trata-se de uma decisão ética. É você quem deve avaliar o momento em que considera estar preparado para escutar outras pessoas. Seja responsável.

Autor: Lucas Nápoli

Lucas Nápoli é psicólogo, psicanalista e professor. Possui os títulos de Doutor em Psicologia Clínica pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RJ) e Mestre em Saúde Coletiva pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). É autor do livro "A Doença como Manifestação da Vida".

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s