Os 3 destinos da mulher segundo Freud

Com base em sua vasta experiência clínica, Freud descobriu que a diferença anatômica entre os sexos é um fator fundamental no desenvolvimento psíquico de homens e mulheres.

Inicialmente, quando o menino se dá conta de que as meninas não possuem pênis tal como ele, sua conclusão imediata não é a de que elas devem possuir um órgão sexual diferente. A primeira teoria que brota na cabeça de um garoto para explicar tal diferença é a de que as meninas um dia possuíram pênis, mas foram castradas por terem brincado em excesso com ele.

As meninas, por sua vez, evidentemente sabem que não possuem pênis, mas, quando descobrem que os meninos o têm, constroem a teoria de que elas também terão o órgão no futuro: com efeito, seu pequenino clitóris crescerá e se tornará um pênis tão grande quanto o dos garotos. Naturalmente essa teoria se mostra falsa e a menina acaba caindo num estado de desapontamento e revolta.

Como ainda ignora o valor de sua vagina, a garota só consegue concluir que nasceu incompleta. Afinal, os meninos têm algo que ela não tem. Indignada, a pequena desenvolve o que Freud chamou de “inveja do pênis”. Na verdade, essa expressão não é muito boa porque o que a menina de fato inveja não é propriamente o órgão sexual masculino, mas a CONDIÇÃO DE PERFEIÇÃO E COMPLETUDE que ela SUPÕE que o menino possua pelo simples fato de ter um pênis.

Freud observa que existem basicamente três destinos que a menina pode dar à inveja do pênis e que definirão seu futuro como mulher:

1 – RESSENTIMENTO – Neste caso, frustrada pela impossibilidade de ter o pênis, a menina renuncia à sexualidade como um todo, desenvolvendo intensa aversão ou indiferença a experiências sexuais.

2 – COMPLEXO DE MASCULINIDADE – Aqui a menina não se conforma com a suposta injustiça de apenas os meninos terem pênis e passa a emular comportamentos tipicamente masculinos, nutrindo a fantasia de ser homem.

3 – FEMINILIDADE – Este é o destino que Freud considera o mais saudável. Neste caso, a menina abandona a inveja do pênis, reconhece que não é incompleta e, ao invés de ansiar por aquilo que só os homens têm, passa a valorizar o que é especificamente feminino, como a capacidade de conceber e gerar filhos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s