[Vídeo] Os DOIS FATORES que promovem a cura na Psicanálise

Ao contrário do que muita gente desinformada anda dizendo por aí, a Psicanálise funciona. E funciona não apenas eliminando sintomas, mas também promovendo uma transformação profunda na vida das pessoas. Quer saber quais são os dois fatores que tornam isso possível? Então assista a esse vídeo!

Pegue já um exemplar do meu ebook!

Tem certeza de que você quer ser curado?

Opnamedatum: 2010-08-05

Mais do que uma coletânea de livros religiosos, a Bíblia é fundamentalmente uma obra que fala sobre a natureza do homem e expõe as vísceras da experiência humana. Por isso, tenho muita dificuldade de respeitar intelectualmente um profissional de Ciências Humanas que não detenha um conhecimento razoável dos textos bíblicos. É lastimável o cara que sabe o que Lacan falou na lição 03 do Seminário 10, mas desconhece o fato de que Paulo de Tarso escreveu mais de uma epístola.

Essa é apenas uma introdução que me veio à cabeça quando pensei no tema acerca do qual gostaria de tratar hoje e que me foi sugerido justamente por alguns fragmentos da Bíblia.

Sempre me chamou a atenção uma peculiaridade do comportamento de Jesus de Nazaré ao lidar com os doentes que apareciam em seu caminho. Das duas uma: ou ele perguntava para a pessoa: “O que você quer que eu faça por você?” ou indagava: “Você quer ser curado?”, como fez com o paralítico que há anos vivia às margens do Tanque de Betesda.

Tais indagações podem soar um tanto irônicas se você parar para pensar que aquelas pessoas estavam visivelmente doentes. Não era óbvio que elas gostariam de ser curadas?

Não, não era. Creio que as perguntas de Jesus, as quais, na verdade, todo analista, também faz àqueles que o procuram, revela justamente que NEM SEMPRE QUEREMOS SER CURADOS DE NOSSAS DOENÇAS. Eu falei um pouco sobre isso no domingo passado.

Na verdade, muitas vezes a gente procura um terapeuta apenas com o objetivo de sermos aliviados de nossas dores, mas não necessariamente curados. Afinal, a verdadeira cura exige de nós a tomada de certas decisões que não queremos, seja porque temos medo do que acontecerá se as tomarmos, seja porque não queremos abrir mão do ilusório conforto que a doença nos proporciona.

A gente se acostuma com tudo, meus caros, inclusive com nossas paralisias. A gente dá um jeito: viramos mendigos, acreditamos que um milagre acontecerá e tudo vai mudar sem que precisemos fazer um mínimo esforço, botamos a culpa de nosso sofrimento nos pais, na sociedade, no capitalismo, em Deus…

É muito difícil levantar-se, tomar o próprio leito e caminhar. Por isso, as perguntas “O que você quer que eu faça por você?” e “Você quer ser curado?” não são perguntas irônicas. Numa terapia psicanalítica, elas estão constantemente sendo refeitas. Essa é uma das razões pelas quais alguns pacientes abandonam o tratamento. Eles imaginam que a cura virá meio que por inércia, sem que precisem se enxergar e abandonar os confortos da doença.

Mudar dá trabalho, exige coragem e capacidade de suportar certas mutilações emocionais. A terapia ajuda você a ter forças para avançar nesse processo. Mas SÓ VOCÊ pode se levantar, tomar o seu leito e caminhar.