[Vídeo] Relacionamentos abusivos: SAIA DA POSIÇÃO DE VÍTIMA! – Lucas Nápoli

“Enquanto tiver cavalo, São Jorge não anda a pé”. Enquanto você consentir em ser abusado, o outro continuará mantendo o padrão de opressão e coerção no relacionamento. Para sair de uma relação abusiva, você precisará ser capaz de assumir a responsabilidade por SE DEIXAR ABUSAR e compreender os motivos pelos quais se submete à opressão. Assista ao vídeo e entenda isso em detalhes.

Dica de livro:

Compre agora no site da Amazon:

https://amzn.to/2ZyNFte

[Vídeo] Psicogênese do machismo

O machismo é um fenômeno psicossocial condicionado por fatores sociais, culturais, políticos e econômicos. Por outro lado, é possível identificar também um conjunto de fatores psicológicos que fornecem a base subjetiva para a manifestação de atitudes e comportamentos machistas. Neste vídeo, demonstro que é na dificuldade de superação do complexo de castração que encontraremos a origem psíquica do machismo.

Adquira o meu ebook “O que um psicanalista faz?” – http://bit.ly/ebooklucasnapoli

Aprofunde-se:

Compre o livro no site da Amazon:

https://amzn.to/2X938gu

[Vídeo] Sobre o bonzinho que quer agradar a todos

Muitas pessoas sofrem porque sentem uma compulsão por agradar a todos. Esse é o seu caso? Você tem dificuldades para expressar sua agressividade, confrontar pessoas e enfrentar situações de conflito? Então, este vídeo foi feito para você!

Aprofunde-se:

Adquira o livro pela Amazon por um preço imperdível:

https://amzn.to/3fzJFhu

[Vídeo] Você se cobra demais? Então assista a este vídeo!

Muitas pessoas sentem que estão o tempo todo em dívida em relação a si mesmos e, por isso, vivem ansiosos. Se esse é o seu caso, você PRECISA assistir a este vídeo. Nele explico o que é a autocompaixão, o antídoto contra o excesso de autocobranças.

Aprofunde-se:

Compre o livro na Amazon clicando neste link: https://amzn.to/2SvpYgK

[Vídeo] Entenda por que você é tão indeciso

Você tem dificuldades para fazer escolhas? Sofre muito sempre que precisa tomar uma decisão importante? Então este vídeo foi feito para você. Nele explico quais são os dois fatores que costumam levar as pessoas a se tornarem reféns da hesitação.

Aprofunde-se:

[Vídeo] Como id, ego e superego se relacionam?

Quer saber como interagem as três instâncias da segunda tópica do aparelho psíquico de Freud? Então, assista a esse vídeo. Spoiler: o ego está na posição nada confortável de mediador de conflitos.

Aprofunde-se:

[Vídeo] Superego: explicação definitiva

Você quer entender o conceito de superego em Psicanálise? Então, este vídeo foi feito exatamente para você! Este é o terceiro episódio da série em que explico a segunda tópica do aparelho psíquico de Freud.

Dica de leitura:

Diante da importância do superego, tanto no nível da metapsicologia e da psicopatologia quanto no de suas implicações no domínio do tratamento, é realmente pertinente e proveitoso consagrar-nos ao seu estudo. Neste livro, trata-se de pôr à prova a dupla polaridade, clássica, do superego; por um lado, uma instância de proibição; por outro, uma instância que extrai sua força das pulsões.

[Vídeo] O que é o ego em Psicanálise?

Neste vídeo você entenderá de uma vez por todas o conceito de ego em Psicanálise.

Este é o segundo episódio da série em que explico a segunda tópica do aparelho psíquico de Freud. P. S.: Houve um pequeno problema de sincronização entre o áudio e o vídeo a partir do minuto 12, mas isso não comprometeu a explicação. Desculpem!

[Vídeo] Entenda (FINALMENTE) o conceito de id em Psicanálise

Neste vídeo você irá finalmente aprender o que é esse tal de id sobre o qual tanto se fala em Psicanálise. Trata-se da primeira parte de uma série em que pretendo explicar toda a segunda tópica de Freud em idioma humanês.

[Vídeo] A falácia da “força de vontade”

Não caia na armadilha de tentar tratar o seu adoecimento emocional apenas com força de vontade. Você não conseguirá, sentir-se-á aflito e, de quebra, arruinará ainda mais sua autoimagem. Não subestime a complexidade da sua alma.

[Vídeo] Psicólogo não cura ninguém

A função do psicólogo não é a de prescrever comportamentos e escolhas, mas facilitar a emergência dos processos de cura que toda pessoa possui.

[Vídeo] A Psicanálise é um tipo de pós-educação

Muitos psicanalistas, influenciados pela tradição francesa, se esquecem de que Freud entendia que a Psicanálise tinha uma função não só terapêutica, mas também educativa. O velho acreditava que o método inventado por ele servia para desfazer os praticamente inevitáveis equívocos que são cometidos na educação das crianças. Afinal, para Freud, tais equívocos são justamente fatores que contribuem para a formação das fixações que, na idade adulta, darão origem aos sintomas neuróticos. Por isso, o médico vienense costumava dizer que a Psicanálise era uma espécie de “pós-educação”. Ficou curioso para entender melhor essa história? Então, assista ao vídeo abaixo:

[Vídeo] Associação livre: entenda o que é

“Fale. Fale tudo o que lhe vier à cabeça. Não se preocupe se fará sentido, se eu irei gostar, se terá coerência. Apenas, fale.” É mais ou menos assim que os analistas convidam seus pacientes a fazerem aquilo que Freud entendia ser o elemento crucial para o desenvolvimento da terapia analítica: a técnica da associação livre. Você já deve ter ouvido falar a respeito disso. Todavia, assista ao vídeo abaixo para conhecer algumas das principais implicações desse procedimento e os motivos pelos quais ele é utilizado na Psicanálise.

[Vídeo] O neurótico vive numa eterna retrospectiva

Freud dizia que “as histéricas sofrem de reminiscências”. Isso está lá nos “Estudos sobre Histeria”. Contudo, tal asserção vale não só para a histeria, mas para todas as formas de neurose. Adoecer emocionalmente depende estruturalmente de uma dificuldade de superação do passado. O neurótico, portanto, é aquele que vive inconscientemente apegado ao passado: a objetos de amor passados, a padrões defensivos passados, a traumas passados etc. Confira meus comentários a respeito disso no vídeo abaixo:

[Vídeo] Diga-me quem amas que eu te direi quem és

Freud descobriu (e todo analista tem acesso à mesma descoberta) que o nosso eu é, na verdade, uma amálgama de traços de outras pessoas. Mas não se trata de quaisquer pessoas. As pessoas cujas traços incorporamos ao ego são aquelas nas quais investimos quantidades significativas de libido, ou seja, as pessoas que amamos. Portanto, se queremos saber quem somos, devemos investigar a história de nossos amores. Explico isso no vídeo abaixo. Confira: