Dar a outra face? Talvez isso não seja para você

A compreensão equivocada de certos aspectos do Cristianismo está diretamente relacionada a processos de adoecimento psíquico.

Por exemplo, lá no início do evangelho de Mateus, a gente encontra o famoso Sermão da Montanha, um longo discurso no qual Jesus de Nazaré faz, dentre outras coisas, uma série de recomendações sobre como seus alunos deveriam viver. Num determinado trecho da homilia, Ele diz o seguinte: “Não resistam ao perverso. Se alguém o ferir na face direita, ofereça-lhe também a outra”.

Muitas pessoas leem ou ouvem esse enunciado e compreendem equivocadamente que, para cumprirem a vontade de Deus, devem REPRIMIR os seus desejos naturais de vingança, ou seja, devem, a contragosto, engolir a vontade de dar o troco e se entregarem de modo resignado à violência do outro.

Todavia, tanto nesta passagem quanto em todas as outras, Jesus não está propondo condutas que devem ser praticadas por todas as pessoas, mas APENAS POR SEUS DISCÍPULOS. Todo o Sermão da Montanha é dirigido EXCLUSIVAMENTE para aqueles malucos que tomaram a decisão absolutamente insana de andar de cidade em cidade seguindo um jovem carpinteiro de 30 anos. Ora, vamos combinar: para quem decide viver dessa forma, dar a outra face é moleza.

Em outras palavras, o que estou querendo dizer é que todos os mandamentos proferidos por Jesus só fazem sentido e podem ser obedecidos de forma SAUDÁVEL por quem verdadeiramente (e não apenas nominalmente) se torna discípulo Dele.

Por outro lado, a maioria das pessoas, embora se denominem cristãs e participem de ritos e práticas ligadas ao Cristianismo, não são EFETIVAMENTE discípulas de Jesus. Logo, para essas, dar a outra face é um ato de violência contra sua própria natureza, procedimento pelo qual se paga com processos de adoecimento. Elas não deveriam fazer isso! Com efeito, o sujeito que se tornou discípulo de Jesus NÃO REPRIME seu desejo de vingança; ele simplesmente o abandona sem maiores transtornos, pois não faz sentido no quadro da vida que escolheu.

Quem não é discípulo, não deveria dar a outra face. Afinal, quando REPRIMIDO, o desejo de vingança converte-se em impulso de autodestruição.