[Vídeo] Não seja o policial de si mesmo

Condenar-se por experimentar certos sentimentos é um desperdício de uma energia psíquica que poderia ser muito melhor empregada na investigação das causas dos seus estados emocionais.


Participe, por apenas R$39,99 por mês, da CONFRARIA ANALÍTICA, uma comunidade exclusiva, com aulas semanais ao vivo comigo, para quem deseja estudar Psicanálise de forma séria, rigorosa e profunda.

➤ Adquira o meu ebook “Psicanálise em Humanês: 16 conceitos psicanalíticos cruciais explicados de maneira fácil, clara e didática”

➤ Adquira o meu ebook “O que um psicanalista faz?”

Pare de se culpar pelo que você sente

Nós não controlamos nossos estados emocionais.

Podemos até evitar comportamentos que são estimulados por emoções, mas definitivamente não somos capazes de impedir que raiva, tristeza, tesão, alegria, ansiedade e outros sentimentos se instalem em nós.

Por que estou chamando sua atenção para isso que talvez pareça uma obviedade?

É que muitas pessoas se sentem culpadas por experimentarem certas reações emocionais diante de determinadas situações. E culpa é um sentimento que só é produzido diante de comportamentos que acreditamos poder controlar.

Quanta gente sofre por aí por sentir tesão por quem acha que não deveria sentir. Quanta gente se martiriza por não conseguir ter afeição pelo pai que sempre foi frio e distante. Quanta gente se chicoteia mentalmente por ter ansiedade na hora de uma avaliação.

Entenda isso: não se pode controlar sentimentos. Os afetos podem ser compreendidos, mas jamais dominados. Você não é uma máquina.

Ao invés de se condenar por estar se sentindo assim ou assado, experimente utilizar sua capacidade racional para investigar as causas do seu estado emocional.

Em vez de ser o policial de si mesmo, torne-se um pesquisador da própria alma. Como dizia Nietzsche, o conhecimento é o mais potente dos afetos.