Analistas, cuidado para não roubarem a cena!

No artigo “Recomendações aos médicos que exercem a psicanálise”, de 1912, Freud diz o seguinte:

“O médico deve ser opaco aos seus pacientes e, como um espelho, não mostrar-lhes nada, exceto o que lhe é mostrado.”

Muitas pessoas acreditam que, ao fazer essa recomendação, Freud estaria incentivando os psicanalistas a serem frios, distantes e indiferentes aos seus pacientes.

Quem pensa assim está equivocado.

Quando a gente olha para o contexto em que Freud fez essa advertência, fica muito claro que seu objetivo é alertar os analistas para um risco muito sério.

Que risco, Lucas?

Trata-se do perigo de transformar o tratamento psicanalítico numa troca de experiências entre dois amigos íntimos.

Freud observa que alguns colegas, na ânsia de se mostrarem solidários ao sofrimento de seus pacientes, ficam “tentados a colocar sua própria individualidade livremente no debate”.

Em outras palavras, o terapeuta começa a falar de seus próprios conflitos e dificuldades para mostrar ao paciente que ambos estão, digamos, “no mesmo barco”.

Vários pacientes já me relataram que foram atendidos por terapeutas que tinham esse hábito de ficarem “roubando a cena” nas sessões.

É para prevenir esse erro gravíssimo que Freud diz aos analistas para se comportarem como um espelho.

O foco do processo analítico é exclusivamente o paciente. A Psicanálise não é uma conversa de bar em que dois amigos compartilham seus problemas. Trata-se de um TRATAMENTO.

Isso não significa que o analista deva ser frio, distante e indiferente. Ele pode ser atencioso, acolhedor e simpático sem poluir as sessões de análise com suas próprias questões.

Quem está na Confraria Analítica receberá ainda hoje (sexta) uma aula especial sobre o papel de espelho a ser desempenhado pelo analista.

E você: já foi atendido por algum terapeuta que ficava “roubando a cena” 😅?


Participe, por apenas R$39,99 por mês, da CONFRARIA ANALÍTICA, uma comunidade exclusiva, com aulas semanais ao vivo comigo, para quem deseja estudar Psicanálise de forma séria, rigorosa e profunda.

➤ Adquira o meu ebook “Psicanálise em Humanês: 16 conceitos psicanalíticos cruciais explicados de maneira fácil, clara e didática”

➤ Adquira o meu ebook “O que um psicanalista faz?”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s