7 coisas que você precisa saber antes de começar a fazer terapia

Sete coisas que você precisa saber antes de começar a fazer terapia

1. EXISTEM VÁRIOS TIPOS DE PSICOTERAPIA, que utilizam métodos e teorias distintos. Eu, por exemplo, trabalho com a psicoterapia de orientação psicanalítica, mas existem terapeutas comportamentais, cognitivo-comportamentais, humanistas, existencialistas etc. Procure saber que orientação teórico-metodológica o seu terapeuta adota.

2. TERAPEUTA NÃO É MÉDICO. Não espere sair das sessões com uma “receita” de como viver melhor.

3. TERAPEUTA NÃO É PROFETA. Esforce-se para explicar com a maior riqueza de detalhes possível suas dificuldades e problemas.

4. TERAPEUTA NÃO É GURU. Não inicie uma terapia em busca de conselhos sobre decisões a serem tomadas. O terapeuta lhe ajudará a discernir as origens de seu sofrimento e as possíveis implicações de suas escolhas, mas a responsabilidade pelas decisões permanece sendo sua.

5. TERAPIA NÃO É UMA SIMPLES CONVERSA. Ao iniciar um processo terapêutico, você está estabelecendo uma parceria de trabalho com um profissional. Isso mesmo: vocês estão ali para trabalhar! Nesse sentido, você não deve encarar as sessões apenas como oportunidades para “desabafar” ou “ter com quem conversar”.

6. NÃO ESPERE MUDANÇAS RÁPIDAS. Isso pode acontecer, mas não é a regra. Problemas de natureza emocional são infinitamente mais complexos do que doenças físicas. Não existem medicamentos para os males da alma como há para alguns males do corpo. Por isso, saiba que a terapia será um tratamento relativamente longo e as mudanças acontecerão de forma gradativa.

7. NÃO DESANIME. Ao longo da terapia haverá momentos em que parece que “nada acontece”. Você se sentirá tentado a abandonar o processo terapêutico. Resista e persevere. Algumas pesquisas mostram que um dos principais motores do tratamento é o vínculo entre terapeuta e paciente. Portanto, não se preocupe se durante algumas sessões não surgir nenhuma “descoberta” nova. A simples continuidade do processo é, em si mesma, terapêutica.

Este texto foi publicado originalmente em minha página no Facebook no dia 16/09/2015.

O que um psicanalista faz? (parte 3)

No primeiro post desta série dissemos que via de regra o paciente inicia um processo terapêutico atribuindo a responsabilidade por sua atual condição de sofrimento a outras pessoas, geralmente familiares e pessoas de seu círculo mais próximo de contatos. Talvez os únicos pacientes que não se comportam dessa maneira sejam os deprimidos, os quais padecem exatamente do oposto, isto é, de um excesso de culpa. Nesses casos, a primeira atitude do analista deve ser a atenuação do sentimento de culpa através da investigação de suas raízes, as quais estão quase sempre vinculadas à ferocidade da instância superegóica. Do contrário, se o analista não se preocupar em ajudar o paciente a se livrar da carga excessiva de culpa que carrega nas costas, a continuidade do tratamento se torna praticamente inviável, transformando-se numa ladainha de lamúrias e lágrimas sem qualquer possibilidade de elaboração ou redundando no pior, a saber: o suicídio.

Pois bem, agora que já sabemos que os casos de depressão são os únicos em que a tendência a atribuir a culpa a outrem não incide na entrada do paciente em análise, passaremos ao objetivo principal deste post que é tentar dizer qual a tarefa do analista nos outros casos, isto é, na maioria, em face dessa tendência do paciente de se eximir da responsabilidade por seu sofrimento. Essa tarefa, por sinal, é a primeira etapa de um tratamento analítico. Façamos, pois a pergunta:

 

Qual é a primeira etapa de um tratamento psicanalítico?

Inicialmente, devo fazer um aviso: quando digo que em geral os pacientes se eximem da responsabilidade por seu sofrimento ao entrarem em análise, não estou fazendo nenhum tipo de juízo de valor sobre tal comportamento. Não estou dizendo, portanto, que o correto seria o paciente agir de maneira diferente. Nós agimos assim o tempo todo, inclusive num nível social, basta ver a nossa relação com os alagamentos urbanos: sempre os responsáveis por tais coisas são as outras pessoas que jogam lixo nas ruas ou o governo que não cria estratégias de prevenção; nós mesmos não temos nada a ver com a coisa…

Então, quando a gente entra em análise, fazemos o mesmo, só que com os nossos sintomas, ou seja, com aquilo do qual a gente se queixa, que não gostaríamos de fazer, mas fazemos. Sempre achamos um culpado para eles: “Sou assim porque minha (meu) mãe (pai)…” é talvez uma das frases que mais se ouve num divã. Mas o culpado não precisa ser feito de carne e osso! Pode ser o despertador que, por um defeito qualquer, não tocou e fez o cara perder uma excelente entrevista de emprego. Vejam: não foi ele que dormiu a mais, foi o despertador que não tocou… Esses são apenas alguns de incontáveis exemplos.

Com efeito, quando se entra em analise é hora de mudar essa posição de passividade. E como isso acontece? Através de um processo que os analistas lacanianos chamam pomposamente de “retificação subjetiva” e que não acontece só no início, mas ao longo de todo o tratamento. O que significa isso? A retificação subjetiva corresponde a intervenções, isto é, falas, interpretações, encerramento da sessão, silêncio, cujo objetivo é mostrar ao paciente que aquilo do qual ele se queixa também lhe é útil. Nesse ponto, o leitor pode perguntar: “Mas, peraí, como pode ser útil se o faz sofrer?”. E eu respondo: útil na medida em que “resolve” determinados conflitos inconscientes, ou seja, como realização de intenções que até então o paciente ignorava que possuía. Ora, não é paradoxal que justamente aquilo que o faz sofrer tanto seja justamente o que o paciente não consegue deixar de fazer? Por que isso acontece? Justamente por que aquilo que conscientemente o faz sofrer, no nível inconsciente o satisfaz, resolvendo determinadas questões que se deixadas em aberto o fariam sofrer muito mais. O doente é, portanto, levado a um estado em que não é possível mais infligir culpa a ninguém por sua condição, reconhecendo que é ativo em seu próprio sofrimento.

Darei um exemplo para que a idéia fique mais clara: um rapaz se queixa de que não consegue namorar com nenhuma garota por mais de 6 meses. Ele chega à análise culpando às garotas com quem namorou: foram elas que sempre terminaram com ele antes dos 6 meses e diante disso demanda do analista uma resposta: o que há errado consigo? Por que as garotas sempre terminam com ele? (Como vocês já sabem, o que há por trás dessa demanda é um outro pedido que se enuncia mais ou menos assim: “Me diga que não é nada, que não sou eu o problema, que são elas mesmo!”) Após determinado período, o paciente gradualmente vai percebendo que na verdade é ele próprio que gera condições para que as garotas tenham como única alternativa a saída do relacionamento. E por que gera tais condições? Essa é outra questão… e que também demandará tempo para ser respondida. Mas o que precisa ficar claro é que a análise operou uma transformação na posição subjetiva do rapaz: se antes ele era o abandonado, aquele que nenhuma moça queria por mais de 6 meses, agora ele passa a se perceber como aquele que, pelo seu próprio desejo, não quer uma relação de mais de 6 meses!

Mas como é que acontece esse processo de reconhecimento de conflitos que o sintoma resolve? Como é que o paciente “saca” que por detrás do seu sofrimento subsiste um desejo? São essas as perguntas que tentaremos responder no próximo post…

CONTINUA…