Batman e o problema do mal

two-faceOntem assisti ao segundo filme da nova versão de Batman, The Dark Knight (O Cavaleiro das Trevas) – o primeiro foi Batman Begins. Em The Dark Knight o vilão da vez é Joker (que em português ficou “Coringa”, mas cuja tradução mais fiel seria “Bobo”, pois a referência é o desenho na carta de baralho que é de um bobo da corte). Para combater o Coringa, Batman une forças com o já conhecido comissário Gordon (que só no fim do filme vira realmente comissário) e com o promotor mais famoso de Gotham, Harvey Dent. É com esse último que pretendo iniciar a presente análise.

Harvey Dent é conhecido em Gotham pelos casos difíceis que consegue ganhar, mandando os maiores bandidões para a cadeia e também por sua simpatia por Batman. Dent é o típico bom moço e representa no filme o papel do herói, identificado com os grandes ideais, como o bem, a justiça e a paz. Ao contrário de Batman, ele combate o crime legitimamente, sob o jugo da lei e o apoio da polícia e, assim, é aclamado pelo povo de Gotham como seu legítimo justiceiro, enquanto Batman é só um criminoso estranho.  No entanto, no final do filme, Batman tem de decidir entre salvar Dent ou salvar Rachel Dawes, a moça por quem é apaixonado mas que vai se casar com Dent. Batman escolhe salvar Dent , mas durante o resgate, o promotor tem uma das partes do rosto queimada. No hospital, Harvey é visitado pelo coringa e influenciado pelo vilão e pelo ódio que já estava sentindo por Batman e pela polícia por terem deixado Rachel morrer, Dent resolve assumir a identidade de Duas Caras (um antigo apelido) e iniciar uma matança.

Creio que a escolha do autor de Batman pela alcunha de “Duas Caras” para Dent não foi por acaso. Todo mundo desconfia de quem é muito bonzinho, suspeitando de que por trás dessa máscara a pessoa esconde um demônio. Os pré-socráticos, os gnósticos e Jung sempre insistiram na complementariedade existente entre o Bem e o Mal. Só sei o que é o Bem se sei o que é o Mal e vice-versa. Logo, se escolho investir no Bem, terei que abrir mão do Mal. O problema é que ambos pertencem a uma totalidade e só são dicerníveis pela linguagem, o que significa dizer que mesmo abrindo mão do Mal e cultivando o Bem, o Mal não desaparece por completo, mas fica em estado latente e, quando menos se espera, ele aparece com força redobrada. Isso está subentendido em duas teorias psicológicas: a de Freud, com a idéia do recalque e do retorno do recalcado e a de Jung, com a noção de sombra, que seria o local psíquico onde despejaríamos todos os nossos traços de personalidade que consideramos desprezíveis, obscenos, abjetos, enfim, maus. E Jung faz uma ressalva: quanto mais andamos na luz, maior é a nossa sombra, isto é, quanto mais queremos ser bons, mais acumulamos mal em estado latente.

Todo esse processo é mostrado com brilhantismo em Batman. Em vez de continuar o padrão dos super-heróis que são sempre bons, leais, justos e adorados pelo povo, como o Super-Homem, o autor de Batman procura mostrar que onde quer que procuremos Bem encontraremos também o Mal. Em vez de colocar o Mal figurado apenas nos vilões, o autor une Bem e Mal no próprio “herói” da história: Batman combate o crime, mas passa por cima das leis, possui um ódio avassalador por seus inimigos e, de quebra, é odiado por todos pela bagunça que provoca. Tanto assim que no final do filme, Gordon diz que Batman não é um herói mas um dark knight, um cavaleiro das trevas.

E essa indissociabilidade entre Bem e Mal se encarna em Dent. Identificado-se apenas ao herói e ao Bem, o promotor esquece-se de sua “sombra” e projetando-a nos criminosos que manda pra cadeia, diante do primeiro sentimento de ódio, sucumbe perante tudo aquilo que teve de reprimir para ser o bom moço. Como dizia Jung:

“Se você declara que o rio que corre perto de sua casa não existe, ele pode inchar e encher seu jardim com seixos e areia e minar sua casa” (JUNG, C. G. Análise de Sonhos, Seminário de 1928-1930)