[Vídeo] Entenda por que você repete os mesmos erros – Lucas Nápoli

Você já se percebeu repetindo comportamentos autodestrutivos? Se sim, tenho certeza de que já passou pela sua cabeça a seguinte pergunta: “Por que será que continuo fazendo isso se já sei que vai dar errado?”. Neste vídeo, pretendo dar uma resposta para tal questão, explicando de onde vem o impulso para continuarmos insistindo nos mesmos erros.

Aprofunde-se:

Adquira já o meu ebook:

http://bit.ly/ebooklucasnapoli

O que é transferência? (parte 1)

535px-tiziano_-_sc3adsifoCreio que todos vocês já devem ter ouvido falar numa coisa chamada “clichê”. Se não, é só se lembrar daquelas frases batidas que costumam ser colocadas em todas as novelas ou daquele tipo de cena que todo filme de super-herói deve ter. Isto é, a frase ou a cena clichês são colocados quando falta criatividade ao autor. Ele então recorre a uma fórmula que já deu certo para não correr o risco de inventar algo novo e se dar mal.

Pois bem, meus nobres colegas, assim também acontece na nossa vida diária. A gente é cheio de repetições! É só pensar aí nos seus relacionamentos amorosos. Geralmente a gente se comporta do mesmo jeito em todos, o que varia é só o parceiro ou a parceira. É como se a gente não soubesse agir diferente, algo parecido com o aprendizado de andar de bicicleta. A gente pode ficar anos sem andar em uma, mas nunca esquecemos do jeito de andar.

E o interessante é que isso não se restringe à vida amorosa. Cada pessoa parece que tem um modo padronizado de se conduzir na vida em geral, seja na relação com os amigos, com a família, com os colegas de faculdade. A gente pode até catalogar uns tipos clássicos: os dependentes, os sedutores, os paranóicos, etc. Alguns psicólogos até cunharam um nome para esse tipos: é o que se chama de personalidade.

Creio que você pode estar pensando: “Sim, mas o que tem de mais nisso? É óbvio que cada pessoa tem um jeito próprio de viver. Cada pessoa é diferente da outra”. Concordo, mas o aspecto que quero ressaltar é exatamente o fato desse jeito de viver ser padronizado, estereotipado a tal ponto que o sujeito não consegue modificar. E então, dependendo das experiências que ele tiver, esse modo estereotipado de viver pode acabar incomodando-o, trazendo-lhe desprazer. E então, com vistas a resolver o problema, ele pode tomar a sábia decisão de procurar um psicanalista.

Mas vejam só vocês: o sujeito marca a primeira consulta, começa a freqüentar uma vez por semana o consultório desse ser estranho que aceitou ouvir suas lamúrias e, pasmem, em lugar de resolver o problema, o sujeito começa a repetir com o psicanalista o mesmo jeito doentio e estereotipado de viver…

 

CONTINUA… 

SERVIÇOS:

3203364QUER SABER MAIS SOBRE O CONCEITO DE TRANSFERÊNCIA EM PSICANÁLISE? ADQUIRA O LIVRO “A TRANSFERÊNCIA”, DE DENISE MAURANO, DA COLEÇÃO “PASSO A PASSO – PSICANÁLISE” POR APENAS R$ 19,90 NA LIVRARIA CULTURA. É SÓ CLICAR NO BANNER ABAIXO E DIGITAR O TÍTULO DO LIVRO NA BUSCA.