Por uma Psicanálise sem máscaras

Você certamente já deve ter ouvido por aí que os psicanalistas são frios, distantes e excessivamente silenciosos na relação com seus pacientes.

Também já deve ter lido que o analista jamais deve atender demandas do analisando. Pelo contrário, deve consistentemente frustrá-las para que o paciente enfrente sua angústia.

Da mesma forma, não ficaria surpreso se você me dissesse que ouviu em alguma aula ou palestra (inclusive de minha autoria, talvez) que o analista deve posicionar-se diante do paciente exclusivamente como um espelho (Freud) ou como um objeto provocador (Lacan).

Mas e se eu te dissesse que toda essa mistura de lendas com verdades e meias verdades foi justamente alvo de crítica de um dos maiores autores da Psicanálise?

Sim. O nome dele é Sándor Ferenczi, um psicanalista húngaro que ousou dizer em alto e bom som, em pleno congresso internacional de Psicanálise, que os analistas são hipócritas e insensíveis enquanto estão tratando de seus pacientes.

Alguns colegas sentiram tanto o golpe que houve quem dissesse que Ferenczi estava vivenciando um quadro psicótico…

A verdade é que ele estava chamando a atenção da comunidade psicanalítica para os efeitos adversos provocados pela posição tradicional do analista, marcada por atitudes artificiais como abstinência, distância e reserva.

Essa ideia aparece em vários dos trabalhos que Ferenczi escreveu em seus últimos anos de vida, mas o texto em que ele manifesta de maneira mais explícita suas críticas à técnica psicanalítica clássica é, sem dúvida, “Confusão de língua entre os adultos e a criança”.

Trata-se justamente do artigo que Ferenczi apresentou em 1932 no XII Congresso Internacional de Psicanálise, em Wiesbaden na Alemanha, em que chama a postura clássica do analista de “hipocrisia profissional”.

A partir de hoje, eu e as centenas de pessoas que estão comigo na Confraria Analítica estudaremos LINHA A LINHA esse texto a fim de compreendermos o que de fato Ferenczi diz e quais são as possibilidades e os limites da Psicanálise sem máscaras que ele propõe.

Você também pode fazer parte dessa jornada.

É só entrar na nossa comunidade.


Participe, por apenas R$39,99 por mês, da CONFRARIA ANALÍTICA, uma comunidade exclusiva, com aulas semanais ao vivo comigo, para quem deseja estudar Psicanálise de forma séria, rigorosa e profunda.

➤ Adquira o meu ebook “Psicanálise em Humanês: 16 conceitos psicanalíticos cruciais explicados de maneira fácil, clara e didática”

➤ Adquira o meu ebook “O que um psicanalista faz?”

Sobre a hipocrisia profissional dos psicanalistas

Sándor Ferenczi (1873-1933), médico e psicanalista húngaro, foi um dos discípulos mais próximos de Freud.

Ferenczi chegou, inclusive, a ser analisado pelo pai da Psicanálise.

Essa circunstância, aliás, foi fundamental para que Ferenczi começasse a propor inovações radicais tanto no plano da teoria quanto na técnica da Psicanálise.

Inovações que batiam de frente com algumas das ideias de Freud… 😬

Ferenczi passou a questionar a postura tradicional do analista no tratamento, considerando-a excessivamente fria, distante e, portanto, prejudicial ao paciente.

Por que prejudicial?

Porque, do ponto de vista de Ferenczi, o adoecimento emocional se desenvolveria justamente como resposta do sujeito a uma infância marcada pela falta de acolhimento e ausência de confiabilidade.

Para o autor, ao se colocar diante do paciente de maneira excessivamente formal, impassível e protocolar, o analista estaria agindo com HIPOCRISIA.

Sim, hipocrisia profissional.

Ferenczi soltou essa “bomba” pela primeira vez na conferência “Confusão de língua entre os adultos e a criança”, proferida no XII Congresso Internacional de Psicanálise e que se encontra disponível no volume IV das Obras Completas do autor.

Vocês podem imaginar a polêmica que isso causou no meio psicanalítico da época, né? 😅

Ferenczi estava simplesmente dizendo: “Galera, desculpem a sinceridade, mas a gente é tudo hipócrita…” 🤷🏻‍♂️

Freud, por exemplo, ficou chocado 😱 quando o colega levou para ele o artigo antes de apresentá-lo no Congresso e pediu para que Ferenczi reconsiderasse suas posições.

Mas ele não voltou atrás.

Ainda bem.

Quer saber mais sobre essa história de hipocrisia profissional?

Ainda hoje quem está na CONFRARIA ANALÍTICA receberá uma aula especial em que comento o trecho do artigo “Confusão de língua…” no qual Ferenczi fala do assunto.


Participe, por apenas R$39,99 por mês, da CONFRARIA ANALÍTICA, uma comunidade exclusiva, com aulas semanais ao vivo comigo, para quem deseja estudar Psicanálise de forma séria, rigorosa e profunda.

➤ Adquira o meu ebook “Psicanálise em Humanês: 16 conceitos psicanalíticos cruciais explicados de maneira fácil, clara e didática”

➤ Adquira o meu ebook “O que um psicanalista faz?”