Calvário

Grande é o vilão nas colinas de Diana

Sonoro tilintar sob as vestes de Zaqueu

Sol escaldante no horizonte do ateu

Gota de orvalho do meu pé emana

 

Adentrou no casco a patrícia fugidia

Encontrou entre a porta ameaça de açoite

Ela que do dia só sabia a noite

Gemeu entre espasmos e forte azia

 

Folha seca bordejando o tamborim

Folha morta nas paredes do liceu

Folha branca esquecida qual pasquim

 

Pensa, pensa até ferver as tripas

Com óleo de chumbo que brota dos olhos

Das mães suspirantes, gementes, aflitas

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s