A Psicanálise e a subversão da Filosofia (final)

Heraclitus%2C_Johannes_MoreelseNo último post, mostramos, num esquema lógico – aparentemente com ares silogísticos – que a questão mais fundamental do humano, anterior ao questionamento ontológico (“o que é?”) é a problemática ética que de maneira alguma é o problema do que se deve ou não fazer. A indagação fundamentalmente ética é: “O que isso quer de mim?” ou “Como isso quer que eu seja?”

Utilizo a palavra “isso” para não utilizar precipitadamente o termo “Outro” já que, na raiz, essa questão não implica o Outro e sim algo como “a natureza” ou “o mundo”: “O que o mundo quer de mim?”. O Outro funcionou para que a Psicanálise evidenciasse isso porque, é preciso lembrar, ela nasceu a partir do tratamento das neuroses que não são nada mais nada menos do que os imbróglios do sujeito na sua relação com o Outro, seja ele identificado à cultura ou aos próprios pais.

O Outro, assim como a anatomia (já dizia Napoleão) é destino, ou seja, pra que a gente possa se estruturar minimamente como pessoa é necessária a presença suficientemente boa de uma pessoa, seja ela, a mãe, a babá ou qualquer outra figura que funcione como um esteio.

A essa figura a gente não pergunta o que é o mundo, o que é o que é. Ou melhor, a gente pode até perguntar, mas é com outro objetivo, o objetivo de saber qual é o desejo dessa figura, qual é o desejo desse Outro.

É isso que Lacan mostra na interpretação que faz da tradicional fase em que a criança aborrece a mãe perguntando o porquê de tudo. Lacan mostra que o que a criança quer saber não é o conteúdo da resposta da mãe. Ela está ligada é nos intervalos entre cada palavra, intervalos que denunciam o desejo materno. Ao perguntar sobre o mundo, ela quer saber sobre o desejo.

Do mesmo modo, a pesquisa filosófica pode até fazer semblante de querer saber a “verdadeira verdade”, como diria o Cidade Negra. No entanto, o que se encontra na raiz dessa busca é um questionamento sobre o desejo. Ora, não é isso que mostra o saudoso Renatinho Carteiro (René Descartes) quer dizer quando afirma lá no seu discurso do método que ele quer descobrir a verdade sobre as coisas do mundo “para melhor se conduzir nessa vida”? A verdade que Descartes quer saber é a verdade do desejo do mundo, o que o mundo quer dele para que ele possa se conduzir melhor e evitar os imprevistos.

Na medida em que esse desejo nunca se manifesta às claras, é sempre preciso supor algo. É preciso criar um teatro imaginário em que todas as figuras do mundo encontram seu lugar, no qual eu sabia meu script (o que tenho que fazer, para onde devo ir), sempre supondo que isso seja o que o Outro quer de mim. É o que os psicanalistas chamam de “fantasia fundamental”

Mas isso já é matéria para outro post.

GIF animations generator gifup.com

Enigma feminino

Transpassa-me a alma o clamor do Outro

Sinto o terror da solidão em rios de fel

Gozo de ti servida a granel

Com gosto de morte em seus lábios

Velho está o espírito

Que derrama em frios pensamentos

Todo o ar que ainda existe

E as soluções desfilam por entre os galhos

Os morcegos já não sabem onde esconder

Em que se apóia ti para te achares mulher?

Tua falta eu já supri faz tempo

Foi muito para o lugar do vazio

Fujo de mim em ti com unhas e dentes

A plenos pulmões, grito!

Grito!

Os sons são despenhadeiros

E os músculos contraídos denunciam o horror

Da carne em tua boca

Em tua alma sobra o prazer

O que, afinal, tu queres?

Reflexões sobre o Imaginário

betta_fish1As senhoras e os senhores que frequentam assiduamente este blog, provavelmente já devem ter me visto repetir algumas vezes uma fórmula que nos serve de eixo para o entendimento (?) do que é o homem. Costumamos dizer que “o homem é um ser que não nasce sabendo viver”.

Essa fórmula, absolutamente óbvia mas que muitos insistem em negligenciar por motivos que não vêm ao caso no momento, já foi pronunciada de outras maneiras, ainda que com consequências distintas. Vemos, por exemplo, um Sartre fundamentar todo o seu Existencialismo a partir da afirmação de que, no homem, “a existência precede a essência”.

A obviedade presente nessas formulações pode ser escancarada se verificarmos os casos de crianças que não foram criadas num ambiente humano, mas em contato com macacos ou lobos. Invariavelmente, elas se comportam… como macacos ou lobos. É o mesmo que acontece em relação ao peixe Betta (desses que devem ser criados sozinhos num aquário). Para que o Betta macho produza as bolhas que servirão de ninho para os ovos da fêmea, ele precisa visualizar a fêmea. Ou seja, uma simples imagem é capaz de gerar efeitos no organismo do peixe. Tanto é assim que não é necessário que o macho visualize uma fêmea real, mas apenas uma foto de uma fêmea.

No humano, isso ocorre principalmente com relação à imagem que temos de nós mesmos (nosso eu). A construção dessa imagem depende das imagens com as quais temos contato, isto é, com as imagens de nossos semelhantes, com os diversos outros que aparecem durante nossa vida. No caso das crianças criadas no meio de macacos e lobos isso fica evidente: se os outros com os quais elas convivem são macacos e lobos, logo elas vão se comportar como macacos e lobos. Por isso a máxima: “Diga-me com que andas e te direi quem és” porta algo de verdade.

Basta você fazer um pequeno exercício de observação:

Veja por exemplo um casal de namorados. Com apenas alguns anos de relacionamento amoroso, os dois parceiros já portam feições, manias e traços um do outro, o que fica bastante evidente principalmente quando as relações terminam. Outro exemplo, esse ainda mais visível: pense aí nos vários traços de comportamento que você compartilha com seu pai ou sua mãe: é o tradicional “Fulano puxou isso do pai…”

Disso tudo podemos concluir que o nosso eu, aquilo que pensamos ser a nossa identidade, é, na verdade, um amontoado de traços que foram tomados dos outros. Em outros termos, o eu é um agrupamento de identificações.

É esse registro da experiência humana em que o sujeito se relaciona com seu eu e que o eu de uma pessoa se relaciona com o eu de outra que Lacan chama de Imaginário.

O que é transferência? (final)

Olá! Tudo bem? Este conteúdo não se encontra mais disponível aqui, pois foi reunido no ebook “Psicanálise em Humanês: 16 conceitos psicanalíticos cruciais explicados de maneira fácil, clara e didática”.

O livro será lançado no dia 15/10 às 07h da manhã em meu perfil no Instagram: http://instagram.com/lucasnapolipsicanalista

Comprando no dia do lançamento você obterá um desconto IMPERDÍVEL!

Ah, e nos três dias anteriores ao lançamento (12, 13 e 14) eu ministrarei um minicurso gratuito de introdução à Psicanálise. Então, siga-me lá no Instagram e não perca!