Aforismos – I

A essência de uma cultura se revela em sua língua. Assim, não é de se espantar que numa sociedade cujo idioma encerra numa mesma palavra as dimensões do ser e do estar, o questionamento do ser tenha sido posto no nível da conduta. Ou dito de outro modo, que o plano do ser tenha sido resumido às vicissitudes do estar. É por essas e outras razões que Kant e Heidegger eram alemães e William James e Skinner americanos.

Anúncios

3 comentários sobre “Aforismos – I

  1. Mas ai tem um problema, eh q em alemao, o ser e o estar tbm estao no mesmo verbo: sein. Ich bin, du bist, er ist, wir sind, etc… o mesmo em frances, italiano… na verdade, a separaçao radical entre o ser e o estar nao eh exclusivo do portugues, mas eh tipico dele…. Acontece que tanto em alemao, quando em frances quanto em italiano, por exemplo, tem tbm o “estar”… Por exemplo, em italiano, eu posso dizer “estou feliz” de duas formas: sono felice, ou sto felice… o “sono felice”, evidentemente, quer dizer tbm “sou feliz”… de certa forma, ha nessas linguas um espaço onde o ser o estar se confundem… Ja em ingles, ai sim… ai nao tem diferença, to be é ser e estar, e nao tem nada soh pra “estar”…..

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s