O que é transferência? (parte 2)

fresco1Terminamos o último post no momento em que falávamos desse estranho e comum fenômeno que acontece em todas as análises: a repetição com o analista do mesmo modo doentio de lidar com o mundo que, por sinal, levou o sujeito a buscar ajuda. Vocês já devem ter percebido que é exatamente isso o que se chama de transferência. Tentarei a seguir fazer com que vocês compreendam de que forma a transferência ocorre e por que ela ocorre. Mas antes disso, é preciso desfazer alguns mal-entendidos.

Vocês já devem ter ouvido muitos alunos e até professores de Psicologia dizerem coisas do tipo: “Fulano está completamente transferido com seu analista”, querendo dizer que o paciente não falta às sessões e escuta com atenção e confiança as intervenções do analista. Ou “Fui no analista X, mas não rolou transferência”, querendo dizer que a pessoa em questão não se sentiu à vontade com o analista ou não gostou do seu método de trabalho.

Caríssimos, nos dois casos, os usos das palavras “transferido” e “transferência” não têm absolutamente nada a ver com o que Freud chama de transferência! Transferência não é a confiança ou a simpatia que você pode sentir por seu analista. O que significa também que se você não foi com a cara do seu analista ou vem sentindo raiva das intervenções dele, isso não significa que a transferência não está aí. Muito pelo contrário: isso pode ser a própria transferência gritando!

Feitas essas ressalvas, voltemos para a análise do fenômeno transferencial.

Por que é que Freud resolveu criar o conceito de transferência?

Em primeiro lugar porque ele já utilizava esse termo nas suas tentativas de decifrar o conteúdo dos sonhos. Freud percebeu que os elementos que aparecem nos sonhos retiram seus significados de outros elementos que foram recalcados. Por exemplo, o paciente sonha que está comendo macarronada. No entanto, ao se fazer a análise do sonho descobre-se que a macarronada representa na verdade a mãe do paciente. Ou seja, o significado da representação mental “mãe” é transferido para a representação mental “macarronada”.

A novidade é que Freud observa que esse fenômeno de “transferência” de significados não acontece só nos sonhos, mas na vida cotidiana e, principalmente, na relação entre paciente e analista.

CONTINUA…

SERVIÇOS:

1371948QUER SABER MAIS SOBRE TRANSFERÊNCIA E TÉCNICA PSICANALÍTICA? ADQUIRA O VOLUME XII DAS OBRAS COMPLETAS DE SIGMUND FREUD POR APENAS R$ 50,00 NA LIVRARIA CULTURA. É SÓ CLICAR NO BANNER ABAIXO E DIGITAR O TÍTULO DO LIVRO NA BUSCA.

 

Anúncios

5 comentários sobre “O que é transferência? (parte 2)

  1. Apesar de você escrever bem, o assunto é muito chato, quando digo escrever bem, quer dizer que você consegue pegar este referencial religioso que pretende ser -filosófico- e que o é, numa visão metafísica e transformar em algo paupável. Enfim… mesmo, após e apesar de tudo, foi enfadonha a tarefa de ler, talvez não tenha rolado a “transferência”.
    Antes que o dono do blog e os “xiitas” psicanáliticos com a profundidade de um piris duraléx me ataquem, gostaria que fizessem o que não fazem justamente, usar o bom senso, e rebater minhas afirmações em um campo retórico, não sei se sabem o que é isto, porque só sabem o que o Sujismundo Freud disse ou o que seu profeta JackLine disse.
    “nossa a psicanálise mudou minha vida, sou histérica.”
    Típica frase de uma patrícinha com incapacidade mental que no impeto de dar sentido a miserável vida milhonária dela, vai dizer.
    Ei ia seguir com um texto, mostrando as “sandisses” desta religião burguesa eletista a-teísta, mas… Cansei, talvez seja a “resistência”, hauhauhuhauhau…

    To be continue…

  2. A propósito, vi a este sitio recomendado por um amigo, sei tb que a wordpressm tem moderaçãoem comentários, realmente é uma coisa fantástica democracia, quero só ver se é mais um retardado que vai impedir meus post com outro na rede a fora…
    é um desafio!

    PS: Este você pode apagar.

  3. Oh q legal, alguém resolveu “criticar” a psicanálise num site basicamente psicanalítico! Pena q nao soube usar o “bom senso”.

    Lucas, eu tenho lido quase todos os seus textos, pra ver se confere com o q entendo e as idéias têm batido,mas gostaria q falasse de foraclusão e de nó borromeano, q tal?

  4. Pô Lucas eu li o texto e acabei de ver q fala de macarronada, tinha q ser? kkkkk…

  5. Ádila, são ótimas sugestões! Estão anotadas para um próximo post! Valeu!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s